Date – 5 outubro, 2017

Quinta-feira -23:10 – Banco de Livros movimenta Biblioteca Municipal de Porciúncula

O Banco do Livro, instituído pela Câmara Municipal, através da Lei nº1848/2010, está em pleno funcionamento na Biblioteca Municipal Eloy Vieira Lannes. A Secretaria de Cultura está promovendo uma revitalização da biblioteca, doando os livros repetidos às bibliotecas dos distritos e às escolas. Utilizando o Banco do Livro, é possível estimular novas doações e projetos de feiras. A primeira doação foi feita para a Creche Escola Maria Puddó Muruci. Hoje a bibliotecária  Joseana Deschamps recebeu as professoras Josilene Muniz e Juliana , que escolheram os títulos que serão doados ao Instituto de Educação Eliana Duarte da Silva Breijão.

Fonte: ASCOM

Muriaé Quinta feira 22:36 – Arma municiada é encontrada e apreendida poucos metros do portão de escola

Na manhã desta quinta-feira (5) a Polícia Militar (PM) apreendeu um revólver calibre 38, municiado, que havia sido abandonado a poucos metros do portão da escola estadual Antônio Viçoso Magalhães, no bairro São Pedro.

Sargento PM Tureta, que atendeu a ocorrência, concedeu entrevista ao repórter Gilson Jùnior, da Rádio Muriaé, e narrou que a PM recebeu ligação anônima informando que havia uma arma de fogo abandonada próximo a escola.

Os militares foram até a rua Cândida Guedes Pereira e encontraram o revólver calibre 38 com seis munições no chão entre algumas palmeiras.

Apesar da arma está visível a qualquer pessoa que passasse pelo local, nenhum estudantes viu ou apanhou o revólver.

A arma foi apreendida e levada para a AISP 150 na Gávea, onde foi feito o registro da ocorrência.

Fonte : Rádio Muriaé

Quinta-feira – 22:30 – Uso medicinal da maconha ganha mais força na Justiça

Desta vez, a decisão do Distrito Federal é inédita naquele estado

A Justiça do Distrito Federal engrossou hoje o apoio à cannabis sativa (nome científico da maconha) para uso medicinal. Os desembargadores da 1ª Turma Criminal aceitaram o pedido da advogada Daniela Tamanini, em uma decisão inédita no estado. Já existem outras no Rio de Janeiro, São Paulo e Ceará.

“Eles concederam, por unanimidade, um salvo-conduto para a família plantar a Cannabis. A adolescente tem 16 anos e sofre de síndrome de Silver Russell, uma doença neurológica”, explicou a advogada Daniela Tamanini.

Fonte: O Dia

Quinta-feira – 22:10 – Vistoria sem IPVA está liberada no estado do Rio de Janeiro

Alerj derruba veto do governador e obriga Detran a licenciar veículos inadimplentes

Os proprietários de veículos que não pagarem IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) estarão aptos a fazer a vistoria anual do Detran-RJ e obter o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV). A nova lei entra em vigor assim que for publicada no Diário Oficial, o que deve acontecer nos próximos dias.

O direito foi garantido pelo Projeto de Lei 739/2007, que estabelece que a inadimplência de IPVA não pode ser impeditivo para a vistoria e obtenção do CRLV. “Isso é um direito do usuário porque a vistoria garante a segurança dele e do pedestre. Esse impedimento é inconstitucional”, alega o deputado Luiz Paulo (PSDB), autor do projeto de lei.

O texto aprovado diz ainda que o Detran-RJ deve fazer constar no CRLV a informação sobre o ano em que o IPVA do veículo não estiver pago. A informação de inadimplência no documento, no entanto, não deve fazer com que o veículo seja rebocado em blitzes nas ruas. “O estado tem outros meios judiciais de cobrar a dívida do IPVA, como colocar o proprietário na Dívida Ativa”, avalia Armando Souza, presidente da Comissão de Trânsito da OAB-RJ, explicando que a inadimplência do IPVA não pode ser motivo para a apreensão do veículo que estiver licenciado nas ruas.

Parcelamento em 10 vezes
O Projeto de Lei 739/07 tinha sido vetado pelo governador Luiz Fernando Pezão, mas a Assembleia Legislativa derrubou o veto. Ao todo, os deputados estaduais derrubaram ontem 30 vetos do governador a projetos já aprovados na Casa, dois terços do total de 45 analisados.

Também foi derrubado o veto ao Projeto de Lei 2.329/17, dos deputados Wanderson Nogueira, Flávio Serafini (ambos do PSol) e Zito (PP), que permite o parcelamento do IPVA em até dez vezes por servidores ativos, inativos e pensionistas do Estado do Rio enquanto durar o estado de calamidade pública financeira. Antes da lei, o governo oferecia o parcelamento em até três vezes para todos os proprietários. A Alerj informou que as novas leis serão promulgadas nos próximos dias.

Fonte: O DIA.

RIO 21:41 – FILHO DO SERVENTE PEDREIRO AMARILDO É PRESO PELA PM NA ROCINHA

Na casa do rapaz, foi encontrada uma pistola Taurus e 45 munições

No Rio, policiais militares do Batalhão de Ação com Cães (BAC) prenderam, na tarde desta quinta-feira, Amarildo Gomes da Silva, 29 anos, filho do Amarildo da Rocinha, na Favela da Rocinha, na Zona Sul do Rio.

Segundo a polícia, os agentes vistoriaram a residência, na Rua 2, após um dos cães farejar maconha no local.

Na casa, foram encontrados uma pistola Taurus 9mm, 45 munições e uma pequena quantidade da drogas. O material foi encaminhado para a 11º DP (Rocinha).

De acordo com os policiais, a mãe do rapaz, Elizabeth Gomes da Silva, autorizou a entrada dos militares. Ainda segundo a polícia, na pistola havia a inscrição da facção Comando Vermelho, do traficante Rogério 157. Segundo o delegado Antônio Ricardo Nunes, da 11ª DP, Amarildo Gomes será indiciado por porte ilegal de arma de fogo de uso irrestrito e associação para o tráfico.

Fonte: Imparcial Notícias

CASO AMARILDO

Em julho de 2013, o pedreiro Amarildo Dias de Souza, morador da Favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, desapareceu depois de ser levado pela polícia para prestar esclarecimentos.
A HISTÓRIA

Em julho de 2013, o pedreiro Amarildo Dias de Souza, morador da Favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, desapareceu depois de ser levado por policiais militares à sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) local para prestar esclarecimentos. A família registrou o desaparecimento dele dois dias depois. Em outubro, após três meses de investigações, o Ministério Público denunciou 25 policiais militares pela morte de Amarildo. Treze tiveram prisão decretada. O julgamento começou em fevereiro de 2014 e ainda não foi concluído.

O caso mobilizou a sociedade civil que se organizou em apoio à família. Moradores da Rocinha promoveram atos cobrando do governo uma solução para o caso. A história de Amarildo de Souza ganhou repercussão internacional e tornou-se símbolo de casos de abuso e violência policiais.

Memória Globo

.2017 © Todos os Direitos Reservados.