Blog do Adilson Ribeiro

Itaperuna Segunda-feira 23:25 – Vereador Sinei diz que o Vereador Glauber tem que tomar cuidado com o que fala “porque as coisas estão ficando estreitas pra ele”. Assista ao Vídeo abaixo e dê a sua Opinião:

Blog do Adilson Ribeiro

2 comentários sobre “Itaperuna Segunda-feira 23:25 – Vereador Sinei diz que o Vereador Glauber tem que tomar cuidado com o que fala “porque as coisas estão ficando estreitas pra ele”. Assista ao Vídeo abaixo e dê a sua Opinião:

  1. Mouraci Stephen Carecho

    UM PRISMA DESDOBRA EM CORES QUE SE MOSTRAM DIFERENTES…porém de um mesmo feixe de luz.

    Todos dos nomes citados são dignos da crítica, inclusive daqueles aos quais o discurso parece sair em defesa.
    Que ninguém se iluda com o discurso metonímico do jovem vereador. Enfatiza um montante sem especificar o respectivo real significado em grãos. 30 milhões de reais para 5 mil produtores rurais significa apenas 6 mil reais para cada um. Em que isso beneficia uma região? A título de comparação, esses mesmos 30 milhões de reais correspondem apenas a 2 meses de salários dos ilustres da ALERJ ou então um medíocre jogador da base desses de clubes famosos.

    Quanto ao BANCO MUNDIAL Sr. vereador, pesquise melhor, porque esse vínculo é de escravidão e não de ajuda.

  2. Mouraci Stephen Carecho

    DE ONTEM PARA O FUTURO… graças ao comunismo orquestrado pela ONU.

    Em meados de 1974 o salário mínimo valia Cr$ 376,80. Como um simples auxiliar de escritório, numa grande imobiliária na cidade de São Paulo, meus rendimentos eram de Cr$ 1.500,00, isto é, quase 4 salários mínimos.
    A imobiliária situava-se próximo a TV Excelsior, antigo canal 9 em SP. Por inúmeras vezes presenciei artistas como Tarcísio Meira, Glória Menezes, Regina Duarte, Marcos Plonka, Francisco Cuoco, fazendo pedágio em frente aos studios da TV porque essa gente vivia com problemas de aluguel e subsistência; eu mesmo muitas vezes entreguei cartas de cobrança da imobiliária para muitos deles que moravam no bairro do Campo Belo, na época um bairro chic.
    O professor José Storópoli, do colégio Gualter lá no bairro, também ocupava cargo de deputado estadual e nos contava que mal conseguia pagar a prestação do seu fusca no consórcio Almeida Prado, visto que, os seus rendimentos de deputado mal chegava a 12 salários mínimos. O salário do Pelé no Santos era pouco mais de Cr$ 3.000,00 fixos e complementado com extras provenientes do que chamavam de “bicho” por vitória do time. Meu pai era motorista de ônibus e tinha renda pouco mais que a minha. Estudei em ótimos colégios da rede particular de ensino, fiz faculdade de medicina, engenharia larguei pela metade, direito fui até o terceiro ano, era possível frequentar diversos cursos de especialização ao mesmo tempo porque não haviam distâncias intransponíveis entre a valoração das coisas; enfim, tive uma vida desregrada, nada aconselhável e esbanjei viajando por muitos países. As igrejas eram templos comportados e decentes. Esse foi o período militar denominado “milagre econômico”.
    Não tenho do que reclamar e sim apenas o que comparar; e nem tanto por mim, mas pelas futuras gerações.
    Assim, para quem não sabe o que é comunismo, segue a devida comparação:
    Hoje um deputado custa aos cofres públicos perto de 200 salários mínimos ao mês, anda de carro de luxo; artistas de TV somam rendas mensais perto de 1 milhão de reais, cobrando até 100 mil para marcar presença em aniversários VIP; jogadores de futebol compram jatinhos, iates de luxo e tagarelas bíblicos constam na lista da Forbes entre os mais endinheirados.
    Lembram-se das diretas já? Pois é, foi um truque bancado lá dos porões da ONU, implantou o comunismo aqui, reunindo famosos para convencer o eleitor que os militares impunham ditadura no país. O movimento prometia melhorias. De fato, melhorou e muito a condição de vida dos que não produzem e vivem às custas do trabalho alheio. E o povo pensa que o cara ganha bem porque tem talento.
    Comunismo é isso, um pequeno grupo de malandros usufruindo de uma zona de conforto, porque retirou o quinhão que pertencia aos demais. Só trouxa pode acreditar num Brasil melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *