Blog do Adilson Ribeiro

Sexta Feira – 23:50 – Antes de atirar e matar Jéssyka, PM ameaçou vazar vídeos íntimos. Clique na foto abaixo e veja mais

Revelação foi feita pela mãe da vítima, na primeira audiência do caso. Outro alvo do militar, Pedro Henrique da Silva, também foi ouvido

Antes de matar a tiros a ex-namorada Jéssyka Laynara da Silva Souza, 25 anos, o policial militar Ronan Menezes Rêgo, 27, ameaçou vazar vídeos íntimos do casal. Quem fez a revelação foi a mãe da vítima, Adriana Maria da Silva, ouvida na tarde desta sexta-feira (10/8), durante a primeira audiência do caso, realizada no Tribunal do Juri de Ceilândia. O assassinato ocorreu em 4 de maio, na QNO 15, em Ceilândia Norte.

“Ele fazia chantagem. Dizia que estava com câncer, que ia se matar e ameaçou até divulgar vídeos íntimos dos dois”, contou a mulher. Ronan estava no prédio onde ocorreu a oitiva, mas, a pedido de Adriana e de outros familiares — que não queriam depor na frente dele — foi colocado em outro ambiente.

Quem também testemunhou foi o professor de academia Pedro Henrique da Silva Torres, 29, que também se tornou vítima do soldado. Minutos antes de tirar a vida de Jéssyka, o militar se dirigiu até a academia a ginástica onde o personal trabalhava, na EQNO 2/4, e abriu fogo contra ele. O PM acreditava que Jéssyka e Pedro mantinham um relacionamento amoroso, informação negada pela vítima.

Segundo ele, quando descobriu que Ronan e a jovem tinham terminado, iniciou uma aproximação, mas não passou disso. “Nunca namorei com ela. Até gostaria, mas estávamos apenas trocando mensagens e nos conhecendo”, disse.

De acordo com Pedro, no dia do crime, Ronan chegou ofegante à academia com a arma na cintura. Ele teria passado por baixo da catraca e apontado a pistola contra ele.

Perguntou há quanto tempo eu estava com ela. Eu neguei. Ele disse que já tinha batido nela e eu ignorei. Ao  virar as costas, ele atirou

Pedro Henrique da Silva Torres, professor de educação física

Os tiros pegaram na mão e no abdômen do instrutor e atingiram de raspão o pé e o peito. Em decorrência das perfurações, o professor sofreu lesões graves no intestino, estômago e teve de fazer uma intervenção cirúrgica a fim de remover a vesícula.

Um dos momentos mais emocionantes da audiência foi quando a mãe de Jéssyka revelou como recebeu a notícia da morte da filha. “Foi por telefone. Ele tirou um pedaço de mim e acabou com a vida de toda família. Ela não merecia isso, era a melhor garota do mundo”, relembrou Adriana, em meio a lágrimas.

Ela ainda confirmou o comportamento agressivo de Ronan e acredita que Jéssyka só não o denunciou antes para proteger a família. “[Ele] ligou pra mim e disse que ia matar minha filha. Ainda ameaçou matar os irmãos”.

Morta na frente da avó
A avó Madalena Honorato da Silva presenciou a morte da neta. Disse que uma discussão inicial teria motivado a ira de Ronan. “Eles brigaram em casa. Mais tarde voltou e chamou pela Jéssyka. Quando abri a porta, minha neta estava em choque encarando o Ronan, que apontava a pistola. Só consegui pedir para ela correr, mas ele atirou e a matou”.

Antes de morrer, Jessyka registrou, em fotos, os machucados provocados pelo PM ao espancá-la. Confira essa e outras imagens abaixo

 

metrópoles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *