Blog do Adilson Ribeiro

Sexta feira Vitória 21:19 – Padrasto estupra enteada com deficiência física. Clique na imagem abaixo e veja mais fotos e informações

CLIQUE NA IMAGEM ACIMA E INSCREVA-SE NO VESTIBULAR DA UNIG

 

Um homem de 41 anos foi preso na manhã de quinta-feira (11) suspeito de agredir a mulher e estuprar a enteada de 20 anos, que tem deficiência física, hidrocefalia, e, segundo a polícia, a mentalidade de uma criança de 5 anos.

O caso aconteceu no bairro Grande Vitória, em Vitória. Tudo começou na noite de sábado (6).

A mãe da menina, uma dona de casa de 37 anos, relatou que estava em casa quando o companheiro dela a agrediu com socos, chutes e pauladas.

Ela fugiu para a casa de uma amiga, e, horas depois, voltou para a residência para buscar a filha, de 20 anos, que tem deficiência física, decorrente de uma meningite que a menina teve ao nascer, e hidrocefalia.

Quando chegou ao local, a dona de casa percebeu que a perna da filha estava “mole”, e levou a menina para o Hospital Estadual de Urgência Emergência (HEUE), antigo Hospital São Lucas, em Vitória.

Lá, além do fêmur esquerdo quebrado, uma ginecologista constatou indícios de que a vítima teria sido abusada sexualmente.

Foi então que, por volta das 15h de terça (9), uma assistente social do hospital fez a denúncia para a polícia, que solicitou um pedido de prisão preventiva contra o suspeito, por estupro de vulnerável e violência doméstica.

De acordo com a polícia, a violência contra a dona de casa já foi constatada, e os resultados dos exames feitos na menina de 20 anos ainda não saíram.

O homem, que trabalha em uma empresa fornecedora de marmita, foi preso em casa e negou as acusações. Ele morava com a vítima há um ano e meio, e foi encaminhado ao Complexo Penitenciário de Xuri, em Vila Velha.

Na residência, foram encontradas roupas com sangue que estão sendo periciadas. A Polícia destacou o trabalho de integração que possibilitou a rápida prisão do suspeito.

“Foi um trabalho conjunto entre a Divisão Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM), por meio do Plantão Especial da Mulher da Região Metropolitana (PEM) e Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM) de Vitória. A prisão, que aconteceu em menos de 48h após a denúncia, só foi possível com a integração do Ministério Público e Judiciário nessa rede. Os homens que insistirem nesses crimes não sairão impunes”, afirmou a delegada Claudia Dematté.

 

Fonte: Tribuna Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *