Blog do Adilson Ribeiro

Segunda Feira – 23:15 – Fila em agências para receber auxílio de R$ 600 é ‘algo inevitável’, diz presidente da Caixa. Veja Abaixo:

Banco quer evitar que beneficiários do Bolsa Família e titulares das poupanças digitais recebam ao mesmo tempo, como ocorreu em abril. Data para a segunda parcela não foi divulgada.

Clique na imagem acima e inscreva-se no Vestibular Agendado da UNIG

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou nesta sexta-feira (1) que as filas no pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 são “inevitáveis”. Segundo ele, o governo atua para reduzir a aglomeração nas agências, mas não tem um plano para resolver a situação por completo.

“Não há nenhuma possibilidade de se pagar 50 milhões de pessoas em três semanas e não existir fila. Isso não existe. Não vou prometer o que é impossível. O que faremos é mitigar filas, reduzir filas”, afirmou em coletiva transmitida pela internet.

“Claramente tem que ter mais cuidado, mas é algo inevitável, pagar 50 milhões de pessoas e não ter fila”, repetiu.

O calendário para o pagamento da segunda parcela ainda não foi divulgado. Segundo Guimarães, a Caixa mudará o cronograma para que os beneficiários do Bolsa Família recebam em data diferente dos usuários da conta poupança digital – criada pela Caixa para quem ainda não tinha conta em banco.

Agências da Caixa de todo o Brasil registraram longas filas desde a última segunda, quando começou o saque em dinheiro dessas poupanças digitais. A aglomeração de pessoas ocorre em meio à pandemia da Covid-19, quando a orientação de governos e autoridades de saúde pública é o distanciamento social.

De acordo com dados divulgados nesta sexta, a Caixa abriu cerca de 16,3 milhões de contas digitais. As tabelas também indicam que 19,2 milhões de beneficiários do Bolsa Família estão recebendo o auxílio, depositado no cartão que as famílias já usavam antes.

O presidente da Caixa afirmou que as filas aumentaram quando esses dois pagamentos coincidiram, no fim do mês. Isso, porque o percentual de beneficiários sem conta bancária – ou seja, que precisam ir à agência para sacar o dinheiro – ultrapassou o esperado.

“Ouvimos muito que era uma parcela grande com conta. A grande maioria não tinha conta, e mesmo quem tinha conta tinha uma carência grande de informação”, declarou.

O presidente da Caixa diz que muitas pessoas foram às filas apenas para pedir informação. Nas próximas parcelas, o banco promete dividir as senhas em dois grupos – um para orientação e outro para o saque do auxílio.

Sem calendário

Pelo cronograma original, divulgado no começo de abril, a segunda parcela do auxílio emergencial deveria ter sido paga a partir do último dia 27. Passados cinco dias, a Caixa ainda não anunciou novas datas para o depósito.

Segundo Guimarães, o banco ainda vai apresentar uma proposta de calendário ao ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, e ao presidente Jair Bolsonaro. A divulgação, diz, deve ocorrer na próxima semana.

Em 21 de abril, Guimarães e Onyx anunciaram em coletiva que a segunda parcela seria antecipada para aquela mesma semana, graças à “grande capacidade de processamento” dos pagamentos. O anúncio foi suspenso dois dias depois e, em rede social, Bolsonaro afirmou que a ideia tinha sido divulgada “sem autorização”.

Fonte: G1.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *