Blog do Adilson Ribeiro

Terça Feira – 21:55 – Eleitora registra boletim de ocorrência após ser informada que votaram em seu lugar. Veja esse e mais casos clicando na imagem abaixo:

A eleitora, Lucienne Fernandes Barreto Musiello, 50 anos, registrou um boletim de ocorrência na Polícia Federal, nesta terça-feira (09) após não conseguir votar no último domingo (07). Segundo relato da designer, quando chegou para votar na seção 467, no Colégio Darwin, em Jardim da Penha, antes de colocar sua digital na máquina de leitura de biometria, a informação do mesário, foi que a mesma já havia votado.

“Ao chegar apresentei meu título e documento. Os mesários olharam minha documentação e, até então, estava tudo certo. Ele retirou o comprovante e me entregou. Quando o mesário digitou meus dados, ele me olhou e disse: ‘Mas você já votou!’ E eu argumentei como teria votado se tinha acabado de chegar na seção. Ele me explicou que o sistema informava que meu voto já tinha sido registrado”.

Lucienne disse que o mesário chegou a dizer que algum documento dela poderia estar com problema. “Depois de tentarem duas vezes o procedimento, a mesma mensagem apareceu. Na verdade nem os mesários, nem os fiscais souberam explicar o que aconteceu”, disse a eleitora.

A designer ficou inconformada com a situação e buscou explicação com o coordenador da zona eleitoral e foi informada que um fiscal iria registrar o caso para ser avaliado pelo Tribunal Regional Eleitoral – ES (TRE). “Eu fiquei ainda mais surpresa porque não pude assinar o documento que o mesário fez. Os mesários e fiscais me disseram que o que eles poderiam fazer era me entregar o comprovante para que eu não pagasse multa.

“Além disso, me orientaram a registrar o caso no Cartório Eleitoral de Jardim Camburi. Eu não pude votar nos candidatos que eu queria. Fui lá exercer meu papel de cidadã e não pude fazê-lo. Estou com meu comprovante sem ter votado. Muito frustrante isso. Estou muito chateada”, finalizou a eleitora.

O Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo informa que a eleitora deve procurar seu cartório eleitoral para relatar o fato, para que a ocorrência seja devidamente apurada.

No domingo, Lucienne postou um vídeo em seu Facebook contando o que aconteceu. Assista:

TRIBUNA ONLINE

 

Após outra pessoa assinar e votar em seu lugar, eleitora procura polícia em Limeira

 

Uma operadora de máquina, de 46 anos, procurou o Plantão Policial de Limeira para registrar um boletim de ocorrência, após não conseguir votar na Escola Maria Aparecida de Lucca Moore, no Jardim Aeroporto, em Limeira (SP).

De acordo com o registro policial, a mulher chegou até a sala da escola na zona 399, seção 130 a fim de votar. Após entregar os documentos, ela foi informada que já havia votado e não poderia fazer novamente. A eleitora contou aos mesários que não havia votado, e após verificar no livro de assinatura, foi constatado a ausência do comprovante junto ao livro. A mulher também não reconheceu a assinatura.

Diante dos fatos os mesários orientaram a eleitora para procurar o polícia. A boletim de ocorrência por “votar ou tentar votar mais de uma vez, ou em lugar de outrem (Artigo 309) do Código Eleitoral foi registrado e o caso será encaminhado ao juiz da respectiva zona eleitoral.

 

RAPIDO NO AR

 

Em Maricá, eleitora é impedida de votar e descobre que já votaram por ela.

– LSM nas Eleições 2018DOM 12:00 Suspeita de crime eleitoral em sessão eleitoral de São José do Imbassaí. Acompanhe.#PlantãoLSM #Eleições2018 #MaricáLeia Mais: https://leisecamarica.com.br/em-marica-eleitora-e-impedida-de-votar-e-descobre-que-ja-votaram-por-ela/

Posted by LSM – Central de Notícias de Maricá on Sunday, October 7, 2018

LEI SECA MARICA

Idosa é informada que outra pessoa votou no lugar dela em Contagem

Uma idosa foi impedida de votar na manhã deste domingo em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ela foi avisada pelo mesário que, segundo os registros, ela já tinha votado.

De acordo com Polícia Militar, a eleitora Luzia Gomes, de 70 anos, foi à sua zona eleitoral, no Bairro Eldorado, em Contagem, e recebeu a notícia que não poderia votar por já ter confirmação de sua presença anteriormente lá. Sem entender como havia o registro, a idosa foi com sua filha à 26ª Companhia da PM para fazer um boletim de ocorrência.

Segundo informações do TRE, esses casos são comuns quando o mesário se equivoca com a lista de nomes. Por ser em ordem alfabética, o servidor acaba confundindo e registrando o voto de um eleitor no lugar de outro.

Nesses casos, além de fazer o boletim, a idosa não poderá votar e deve justificar a ausência.

* Estagiário sob supervisão do editor Benny Cohen

 

EM.COM.BR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *