Blog do Adilson Ribeiro

Quarta Feira – 23:50 – Pedófilo pode ganhar milhões com trilha sonora do filme “Coringa”. Veja abaixo:

Clique na imagem acima e inscreva-se no vestibular de medicina da UNIG

Quem viu “Coringa”, filme estrelado por Joaquin Phoenix, certamente não deixou passar batido o momento em que toca “Rock and Roll Part 2”, música de Gary Glitter.

A canção – que agora é pivô de mais uma polêmica envolvendo o filme dirigido por Todd Phillips – toca justamente em um momento chave do longa: quando Arthur Fleck/Coringa desce um lance de escadas e… Paremos por aqui para evitar spoilers.

Lançada em 1972, a música já havia sido usada no filme “Morte Súbita” (1995), estrelado por Jean-Claude Van Damme. Também está na trilha sonora na comédia “Ou Tudo ou Nada” (1997).

Ou seja, uma canção que já foi usada anteriomente por outros cineastas. Mas qual então o motivo da confusão?

Pedofilia. Gary – ou Paul Gadd, nome verdadeiro do artista de 75 anos – é um pedófilo condenado pela Justiça.

Em fevereiro de 2015, ele foi considerado culpado de abuso sexual de três menores. Os crimes aconteceram entre 1975 e 1980. Na época, o cantor britânico foi condenado a 16 anos de prisão.

De acordo com o Hollywood Reporter, o britânico foi um astro dos anos 1970 e 1980 no glam rock. Na década de 1990, ele foi preso pela primeira vez por baixar conteúdo pornográfico infantil.

Segundo a informações da rede de notícias americana CNN, Gary provavelmente está lucrando com a utilização da música em seu filme. É que quando uma canção é utilizada em uma produção como essa é preciso pagar dois tipos de direitos autorais.

Um deles é pelos direitos de publicação e outo pela gravação. Sendo Gary co-autor da música, ele deve estar levando uma boa grana de direitos autorais.

Acontece que em alguns países, os cinemas também precisam pagar pela música utilizada nos filmes. “Coringa” foi lançado internacionalmente, então Gary vai faturar ainda algum dinheiro a mais dessa forma. Outra renda do britânico será quando o filme começar a ser exibido na televisão.

Tudo isso revoltou alguns fãs do filme. Houve quem, diante dessa polêmica, defendesse o boicote ao filme ou até instigasse que ele fosse baixado ilegalmente na internet para que os lucros não fossem para um pedófilo condenado judicialmente.

 

Tribuna Online

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *